MEDITANDO COM DEUS
A REVELAÇÃO QUE ROMPE FRONTEIRAS
João 4.15-26

O diálogo entre duas pessoas pode romper fronteiras e trazer uma revelação surpreendente.

Jesus e uma mulher conversam junto a um poço. Aparentemente, trata-se de um encontro entre pessoas desiguais: um homem judeu conversa com uma mulher samaritana. Naquela época, era fora do normal tal diálogo entre um homem e uma mulher, bem como entre um judeu e uma samaritana, que não se davam por questões de raça, costumes e religião. Chama a atenção, igualmente, o assunto da conversa: a mulher quer a água que Jesus oferece, para nunca mais ter sede e para não mais ir até o poço no calor do meio-dia.

Talvez, a samaritana tenha escolhido esse horário impróprio para não se encontrar com outras mulheres que também a marginalizavam, devido a sua história de vida: já teve cinco maridos e o que ela tem agora não é, de fato, seu marido.

Jesus conhece a sua história de marginalidade e sofrimento. A mulher se surpreende com o seu conhecimento e o chama de profeta. O diálogo se desvia, então, da área pessoal e familiar para a religiosa. Jesus esclarece que a verdadeira adoração a Deus não se prende a um lugar: ele quer ser adorado em espírito e em verdade. A nova comunhão com Deus acontece quando cremos em Cristo, onde quer que estejamos.

O diálogo com o Senhor rompe fronteiras, aproxima desiguais e traz a grande revelação: Jesus é o Messias, o Salvador prometido. O que essa revelação significa para você e para mim? Você já participou de um diálogo que rompe fronteiras, aproxima pessoas diferentes e revela algo novo?



Deus misericordioso, precisamos do diálogo que rompe fronteiras, aproxima pessoas diferentes e que nos revela Cristo como o Salvador do mundo. Auxilia-nos para que busquemos tal diálogo e te adoremos em espírito e em verdade a partir da fé em Cristo. Amém.


**************************************************************************************************************************
 
CLAMOR PELO RIO DOCE
MAR DE LAMA: O ECOSSISTEMA DO RIO DOCE PEDE SOCORRO
Temos vivido um turbilhão de acontecimentos a cada ano que passa: O terremoto devastador no Haiti (2010). As enchentes e catástrofes no Espírito Santo (2013). A onda de refugiados que busca acolhida na Europa, devido às guerras e o terrorismo. Os desmandos na política brasileira e o lava-jato. Os atentados terroristas pela África e Europa (recentemente na França, com atentados descentralizados que levou à morte mais de 120 pessoas). A perseguição e decapitação de cristãos em países islâmicos e, atualmente, a crise hídrica no Espírito Santo e outros Estados do País.
No Espírito Santo é sintomático o sofrimento da agricultura com a falta d’água. Rios secando, queimadas em grande porte, vegetação e animais aquáticos e terrestres morrendo. Difícil contabilizar os prejuízos no ecossistema, especialmente na agricultura, com a perda das lavouras de cafés e outras plantações, seguida pelo endividamento das pessoas.
O Rio Doce (5ª maior bacia hidrográfica brasileira) vem enfrentando uma das piores secas dos últimos 70 anos. Além do assoreamento, ainda em setembro/2015, foi registrado uma lâmina d’água de 10 cm de profundidade em alguns pontos (Agência Nacional de Águas). Como se não bastasse a falta de chuvas, perplexos vemos sendo dizimada o que restou da biodiversidade castigada, devido uma das maiores tragédias ecológicas que nos abate.
O rompimento das barragens de dejetos de minério de Fundão e Santarém, ocorridas em Mariana/MG, pertencente à mineradora Samarco (empresa da Vale e da mineradora anglo-australiana BHP Billinton), jogaram em torno de 25 mil piscinas olímpicas de lama no Rio Doce. Esta lama, que retirou o vilarejo de Bento Rodrigues/MG do mapa, ceifando algumas vidas, vem descendo por vários municípios de Minas Gerais até o Espírito Santo.
Na bacia do Rio Doce, todo o ecossistema (vegetação, animais) que a lama encontra pelo caminho é sufocado e dizimado (Análises se contradizem, alguns dizem que a água lamacenta contém areia e óxido de ferro, outros sugerem a presença de mercúrio, alumínio, ferro, chumbo, boro, bário, cobre, entre outros). Com isso, ficou comprometido o abastecimento de água de mais de meio milhão de pessoas das cidades de Governador Valadares, Baixo Guandu, Colatina, Linhares e pequenos povoados adjacentes. Em Colatina, vemos pessoas desesperadas estocando água. O comércio explorando na venda de água mineral. Helicópteros voando a toda hora. A presença do exército, carros-pipas e caixas d’águas em prontidão. À margem do Rio Doce, a operação “Arca de Noé” já entrou em ação para salvar algumas espécimes de peixes.
Segundo informações de alguns órgãos ambientais, pode-se estender por um período de 100 anos a recuperação do Rio Doce. As empresas envolvidas fizeram declarações de solidariedade e propuseram ações para mitigar o impacto do desastre, mas pouco convincentes e esperançosas. Ações ocorrem ao lado de pressões, multas e sanções judiciais e governamentais ou através das mobilizações sociais e organizacionais. Até então, a Samarco não apresentou um plano nitidamente esclarecedor e emergencial a respeito da salvaguarda da vida do rio que tranquilize as populações envolvidas. Enquanto isso, a lama vem seguindo o seu curso.
A degradação do ambiente, o desrespeito à vida do ecossistema e as consequentes catástrofes, veem da insensatez e da sede pelo poder do ser humano. Na corrida pelo lucro, não há constrangimento e espaço para consternação ao ver um amontoado de lama destruindo casas e vidas. São escassas as lágrimas num coração corrompido pela ambição, mesmo diante da extinção da fauna aquática que tem sido sufocada pela crosta de lama. Para uma multinacional, o que chorar diante de um rio que está morrendo ou diante de peixes e variados animais saindo da água para tentar sobreviver? Por isso, urge cantar: Kyrie Eleison.
O que lhes importa é exaurir todos os recursos da vida, custe o que custar. Isso é o que experimentamos na insensibilidade humana, que nunca se cansa em esgotar todos os recursos naturais do planeta, destruindo-o desordenadamente. Essa insensibilidade também experimentamos, tanto agora nesta catástrofe no Rio Doce, como também na extração de granito que se dissemina no Espírito Santo.
Enquanto a tragédia segue, nas redes sociais, o fanatismo fala de punição divina e sinais do fim do mundo. Isso é fruto de uma visão fundamentalista e apática de pessoas que sempre optam pelo conformismo e em omitir-se diante da responsabilidade frente à degradação da natureza. O fanatismo esquece que somos cuidadores da criação. Todo dano e catástrofe são frutos da ganância humana. Somos culpados diante de Deus quando retiramos da criação o direito de vida. Teremos que explicar a Deus os nossos atos, pois destruir a vida é pecado.
O ser humano, ao invés de colocar-se ao lado da criação, para cuida-la, acha-se superior a ela. Ao separar-se da criação, ele a desvaloriza, iludindo-se que pode usar e explorar dos seus recursos naturais como achar necessário. A destruição da criação leva-nos à beira da extinção humana. A natureza não é um bem separado da humanidade, somos dependentes do ecossistema. Sem ele, não há como sobreviver. Quem se separa e descuida da criação, afasta-se também de Deus.
É preciso encarar os alertas da natureza com sobriedade. Não podemos continuar explorando da criação se não aprendemos a cuidar dela. Claro, é preciso que confiemos na ação de Deus. Este mundo é conduzido pelo seu amor. Mas também sejamos responsáveis pela manutenção da vida ecológica. Pois somos todos chamados por Deus ao pleno cuidado e preservação dos recursos naturais ofertados pela sua criação. “Porque sabemos que toda a criação, conjuntamente, geme e está com dores de parto até agora”. (Romanos 8.22).
Paróquia de Colatina, Novembro/2015
P. Luciano Ribeiro Camuzi