Outdoors para o tempo da Reforma 2018
Ainda esta semana (dia 19/09/2018) os dois novos leiautes serão colocados em seus locais (estadual que segue para São Gabriel da Palha). Um dedicado a Lutero e o outro a Catarina.
 
 500 ANOS DA REFORMA
VENHA PARTICIPAR CONOSCO
 
 Caderno para o Culto Infantil 2017 - Catecismo Menor
Após dois seminários de formação para lideranças da União Paroquial Norte do Espírito Santo, estamos lançando o Caderno CELEBRANDO O CULTO INFANTIL, Volume 4, sob o tema: Martim Lutero e o Catecismo Menor. É uma edição especial, que visa comemorar, juntamente com as crianças, o ano jubiloso da Reforma Luterana. Este caderno foi disponibilizado ao Sínodo Espírito Santo a Belém, que tem como objetivo divulgar este nosso trabalho por toda a IECLB.

Ele é fruto do trabalho feito pelos orientadores que participaram dos nossos Seminários de Formação para Orientadores do Culto Infantil, em 2016. Os Seminários foram promovidos pela União Paroquial Norte do Espírito Santo (UPNES), tendo como objetivo a produção de um material mais próximo à realidade em que vivemos no Espírito Santo.

Por isso, este caderno tem o rosto da nossa igreja capixaba (IECLB), visando ser um auxílio para as suas atividades com as crianças do Culto Infantil. Mas vale ressaltar que a sua criatividade em fazer as mudanças e acréscimos, são riquezas necessárias para complementar as sugestões aqui registradas.

O Caderno contém 25 encontro, com 252 páginas direcionado para Orientadores/as do Culto Infantil, tenho em vista os 500 anos da Reforma. Dentre seus temas, ele aborda: os 10 mandamentos, o Pai Nosso, o Dia das Mães (Mãe Catarina), o Dia dos Pais (Pai Lutero), o surgimento da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, os seus 4 pilares, o Batismo, a Santa Ceia, o Credo Apostólico, Tempo natalino.

Somo gratos a todos que participaram dos nossos encontros, ajudando com a produção do caderno. Caso tenha interesse em participar dos próximos encontros em 2017, o tema que estudaremos são as “Famílias da Bíblia”. Nossos encontros já estão agendados para os dias 11 e 12 de Março de 2017, na Casa de Retiros da IECLB em São Bento, Paróquia de Pancas/ES. E dias 16 e 17 de Setembro de 2017, na Igrejona da IECLB, Paróquia de Vila Pavão/ES.

Agradeço carinhosamente a equipe coordenadora, que sentou, planejou as temáticas e facilitou o aprofundamento desses temas em nossos encontros. Se Deus quiser, vamos editar o nosso quinto caderno para o ano 2018, com muitas novidades.

P. Luciano Ribeiro Camuzi
Coordenador do Culto Infantil UPNES
Pastor da IECLB em Colatina/ES
 
 CLAMOR PELO RIO DOCE (P. Luciano)
MAR DE LAMA: O ECOSSISTEMA DO RIO DOCE PEDE SOCORRO
Temos vivido um turbilhão de acontecimentos a cada ano que passa: O terremoto devastador no Haiti (2010). As enchentes e catástrofes no Espírito Santo (2013). A onda de refugiados que busca acolhida na Europa, devido às guerras e o terrorismo. Os desmandos na política brasileira e o lava-jato. Os atentados terroristas pela África e Europa (recentemente na França, com atentados descentralizados que levou à morte mais de 120 pessoas). A perseguição e decapitação de cristãos em países islâmicos e, atualmente, a crise hídrica no Espírito Santo e outros Estados do País.
No Espírito Santo é sintomático o sofrimento da agricultura com a falta d’água. Rios secando, queimadas em grande porte, vegetação e animais aquáticos e terrestres morrendo. Difícil contabilizar os prejuízos no ecossistema, especialmente na agricultura, com a perda das lavouras de cafés e outras plantações, seguida pelo endividamento das pessoas.
O Rio Doce (5ª maior bacia hidrográfica brasileira) vem enfrentando uma das piores secas dos últimos 70 anos. Além do assoreamento, ainda em setembro/2015, foi registrado uma lâmina d’água de 10 cm de profundidade em alguns pontos (Agência Nacional de Águas). Como se não bastasse a falta de chuvas, perplexos vemos sendo dizimada o que restou da biodiversidade castigada, devido uma das maiores tragédias ecológicas que nos abate.
O rompimento da barragem de dejetos de minério de Fundão , ocorrida em Mariana/MG, pertencente à mineradora Samarco (empresa da Vale e da mineradora anglo-australiana BHP Billinton), jogou em torno de 25 mil piscinas olímpicas de lama no Rio Doce. Esta lama, que retirou o vilarejo de Bento Rodrigues/MG do mapa, ceifando algumas vidas, vem descendo por vários municípios de Minas Gerais até o Espírito Santo.
Na bacia do Rio Doce, todo o ecossistema (vegetação, animais) que a lama encontra pelo caminho é sufocado e dizimado (Análises se contradizem, alguns dizem que a água lamacenta contém areia e óxido de ferro, outros sugerem a presença de mercúrio, alumínio, ferro, chumbo, boro, bário, cobre, entre outros). Com isso, ficou comprometido o abastecimento de água de mais de meio milhão de pessoas das cidades de Governador Valadares, Baixo Guandu, Colatina, Linhares e pequenos povoados adjacentes. Em Colatina, vemos pessoas desesperadas estocando água. O comércio explorando na venda de água mineral. Helicópteros voando a toda hora. A presença do exército, carros-pipas e caixas d’águas em prontidão. À margem do Rio Doce, a operação “Arca de Noé” já entrou em ação para salvar algumas espécimes de peixes.
Segundo informações de alguns órgãos ambientais, pode-se estender por um período de 100 anos a recuperação do Rio Doce. As empresas envolvidas fizeram declarações de solidariedade e propuseram ações para mitigar o impacto do desastre, mas pouco convincentes e esperançosas. Ações ocorrem ao lado de pressões, multas e sanções judiciais e governamentais ou através das mobilizações sociais e organizacionais. Até então, a Samarco não apresentou um plano nitidamente esclarecedor e emergencial a respeito da salvaguarda da vida do rio que tranquilize as populações envolvidas. Enquanto isso, a lama vem seguindo o seu curso.
A degradação do ambiente, o desrespeito à vida do ecossistema e as consequentes catástrofes, veem da insensatez e da sede pelo poder do ser humano. Na corrida pelo lucro, não há constrangimento e espaço para consternação ao ver um amontoado de lama destruindo casas e vidas. São escassas as lágrimas num coração corrompido pela ambição, mesmo diante da extinção da fauna aquática que tem sido sufocada pela crosta de lama. Para uma multinacional, o que chorar diante de um rio que está morrendo ou diante de peixes e variados animais saindo da água para tentar sobreviver? Por isso, urge cantar: Kyrie Eleison.
O que lhes importa é exaurir todos os recursos da vida, custe o que custar. Isso é o que experimentamos na insensibilidade humana, que nunca se cansa em esgotar todos os recursos naturais do planeta, destruindo-o desordenadamente. Essa insensibilidade também experimentamos, tanto agora nesta catástrofe no Rio Doce, como também na extração de granito que se dissemina no Espírito Santo.
Enquanto a tragédia segue, nas redes sociais, o fanatismo fala de punição divina e sinais do fim do mundo. Isso é fruto de uma visão fundamentalista e apática de pessoas que sempre optam pelo conformismo e em omitir-se diante da responsabilidade frente à degradação da natureza. O fanatismo esquece que somos cuidadores da criação. Todo dano e catástrofe são frutos da ganância humana. Somos culpados diante de Deus quando retiramos da criação o direito de vida. Teremos que explicar a Deus os nossos atos, pois destruir a vida é pecado.
O ser humano, ao invés de colocar-se ao lado da criação, para cuida-la, acha-se superior a ela. Ao separar-se da criação, ele a desvaloriza, iludindo-se que pode usar e explorar dos seus recursos naturais como achar necessário. A destruição da criação leva-nos à beira da extinção humana. A natureza não é um bem separado da humanidade, somos dependentes do ecossistema. Sem ele, não há como sobreviver. Quem se separa e descuida da criação, afasta-se também de Deus.
É preciso encarar os alertas da natureza com sobriedade. Não podemos continuar explorando da criação se não aprendemos a cuidar dela. Claro, é preciso que confiemos na ação de Deus. Este mundo é conduzido pelo seu amor. Mas também sejamos responsáveis pela manutenção da vida ecológica. Pois somos todos chamados por Deus ao pleno cuidado e preservação dos recursos naturais ofertados pela sua criação. “Porque sabemos que toda a criação, conjuntamente, geme e está com dores de parto até agora”. (Romanos 8.22).
Paróquia de Colatina, Novembro/2015
P. Luciano Ribeiro Camuzi
 
 ADVENTO EM FAMÍLIA - UPNES
Está chegando o 3º Advento em Família da União Paroquial Norte do Espírito Santo. O encontro será no dia 6 de Dezembro, em Lajinha do Pancas, com a chegada das caravanas às 8h. Convidamos todas as famílias e paróquias a se organizarem. O encontro tem por meta estimular a boa convivência cristã e reavivar a espiritualidade natalina, a partir de cantos, teatros e atividades relacionadas a essa época tão importante para a comunidade cristã. Será um dia celebrativo, abrilhantado pelo “Coral Vozes da Esperança – ADL”. Também haverá Grupo de Metais, Corais das Comunidades, teatros Natalinos e atividades com Crianças. Entre outros, serão oferecidos serviços de barracas, com destaque à Barraca Pomerana e sua comida típica.